AeC

Relacionamento com Responsabildade

Notícias

Negócios

Enquanto isso, no futuro...

Conheça os empregos que existirão daqui algumas décadas

Foto: Divulgação

 

O futuro não é mais como era antigamente, já cantava Renato Russo há mais de duas décadas. Afinal, de lá para cá, o mundo mudou e continua mudando de diversas maneiras que, tão logo uma inovação é adotada, mal nos lembramos como era a vida antes dela. 

Mesmo assim, é possível olhar para frente, praticar a futurologia e, a partir de tendências que vão se insinuando e/ou se consolidando, prever algumas coisas. Os trabalhos que existirão daqui duas décadas, por exemplo.

Vamos a alguns deles.

Cuidadores de saúde preventiva

O mundo envelhece e, em breve, a maior parte da pirâmide social será constituída por pessoas acima de 60 anos. Com isso, mais e mais profissionais serão requisitados para cuidarem dessas pessoas, porém com um raciocínio diferente. Com foco na saúde preventiva e com total auxílio da tecnologia que, por meio de dados coletados a todo o momento, indicarão tendências a serem trabalhadas para elevar a qualidade de vida sempre.

Pilotos remotos

Veículos autônomos e não tripulados já são uma realidade. Estão aí os drones, que não nos deixam mentir. E vira-e-mexe vemos alguma foto do carro sem motorista que o Google está desenvolvendo. Daqui a vinte anos, isso tende a ser realidade: carros e aviões conduzidos a distância, por motoristas e pilotos localizados a quilômetros de distância do veículo, sentados em um escritório como o que você muito provavelmente agora está.

Detetives online

Hoje em dia, já existem milhares de pessoas realizando essa função voluntariamente em todo o planeta. Mas com o aumento constante e exponencial de crimes cibernéticos, a tendência é de que toda uma classe profissional se desenvolva com o objetivo de garantir a segurança em todas as atividades online.

Analistas de big data

Sabe quantos dados são gerados por ano atualmente? 2,5 quintilhões de bytes. Mas isso hoje. No futuro, esse número pode ser bem maior, em função do maior número de coletores de dados que farão parte de nossas vidas. E aí será necessário um verdadeiro exército de profissionais para ler e interpretar esses dados, chegando a conclusões que muito provavelmente darão início a inovações que mudarão nossas vidas e gerarão mais e mais dados, que, por sua vez, serão lidos e interpretados... E assim por diante.