AeC

Relacionamento com Responsabildade

Notícias

Cultura

As melhores ficções científicas do século XXI

E aí, já assistiu a todas?

Imagem: Pixabay

E aí, já assistiu a todas? Já estamos em 2016 e ainda não chegamos nem perto daquilo que o filme 2001 – Uma Odisseia no Espaço previu – as viagens interplanetárias por enquanto não são uma realidade e a inteligência artificial, mesmo avançando a passos largos, literalmente engatinha perto da que possui o supercomputador HAL.

Mas, por mais que estejamos um pouco longe ainda do mundo apresentado na obra-prima de Stanley Kubrick, uma coisa é certa: a ficção científica nos faz imaginar como será (ou seria) o futuro se tais e tais avanços se concretizarem. Seja para o bem, seja para o mal.

Pensando nisso, o Portal AeC selecionou para você sete filmes de ficção científica lançados neste século que nos dão uma ideia do que pode estar nos aguardando em um futuro nem tão distante assim. Confira.

Minority Report

No futuro, a inteligência artificial já se desenvolveu tanto que ficamos sabemos dos crimes muito antes deles ocorrerem.

Interestelar

O futuro da Terra está comprometido e astronautas são enviados para buscar outros planetas que eventualmente possam nos receber.

Star Wars – O Despertar da Força

Dirigido por J.J. Abrams (Lost, Star Trek), o sétimo capítulo da saga trouxe antigos personagens e apresentou novos em uma trama que nada fica a dever aos melhores episódios da franquia.

Gravidade

Dois astronautas estão em missão consertando o telescópio Hubble quando uma chuva de meteoros acaba jogando-os no espaço sideral.

Distrito 9

Uma nave alienígena é obrigada a pousar na África do Sul e seus tripulantes, a conviver com nós, humanos, em uma excelente alegoria sobre a tolerância.

A Origem

Leonardo di Caprio interpreta um personagem que tem como profissão tirar ideias nas pessoas por meio de seus sonhos. Porém, desta vez, ele é convocado para fazer o contrário - implantar uma ideia.

Ela 

E se um dia nós nos apaixonarmos pela... Inteligência Artificial? Em Ela (Her), somos apresentados a uma versão futura da solidão.