AeC

Relacionamento com Responsabildade

Notícias

Esportes

Os cinco mascotes olímpicos mais legais de todos os tempos

Confira nossa seleção especial

Tirando o 7 a 1, a Copa do Mundo do Brasil foi um grande sucesso. Mas, uma vez que o maior torneio de futebol do mundo chegou ao fim, as atenções agora voltam-se para as Olimpíadas de 2016, a serem realizadas no Rio de Janeiro. E enquanto o mascote da edição não é batizado, o Portal AeC selecionou para você os cinco mascotes olímpicos mais legais em nossa opinião.
 
Vamos lá.
Definitivamente, o mascote mais estranho de todos os tempos foi o desenvolvido para os Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996. Batizado de Izzy, a versão final mascote foi uma reformulação de sua primeira versão, conhecida como Whatizit, corruptela de What’s it? (O que é isso?), pois nem seu criador sabia o que sua criatura significava.
  
 
Fotos: Divulgação

 
 
 
 
Em 1972, para a realização dos Jogos Olímpicos em Munique, na Alemanha, o Comitê Olímpico Internacional decidiu pela adoção de um mascote oficial por edição do evento. E o primeiro escolhido foi Waldi, um cachorro da raça dachshund, criado pelo designer Otl Aicher, que representava atributos comuns a todos atletas como resistência, agilidade e tenacidade.
 
 
 
 
As Olimpíadas de 1988, realizadas em Seul, Coreia do Sul, apresentaram o tigre Hodori ao mundo. Animal comum nas lendas asiáticas, Hodori levava sempre no peito um colar com os anéis olímpicos. Criado pelo designer Kim Hyun, o mascote representava a tradição hospitaleira do país sede de empresas como Samsung, LG e Hyundai.
 
 
 
 
 
 
 
Inspirado na versão de Pablo Picasso para o quadro Las Meninas, do também espanhol Velázquez, o mascote escolhido para as Olimpíadas de 1992, disputadas em Barcelona, Espanha, foi um cão da raça pastor catalão e foi desenhado seguindo as linhas cubistas do catalão mais famoso do mundo. Com o nome derivado de Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Barcelona (Coob), Cobi foi um dos mais populares mascotes olímpicos de todos os tempos.
 
 
 
 
 
 
 
Para terminar, Misha. Criado pelo ilustrador Victor Tchijikov, o simpático urso (símbolo nacional da União Soviética) foi o mascote das Olimpíadas de Moscou em 1980 e emocionou o mundo com suas aparições nas cerimônias de abertura e encerramento do evento. E mesmo tendo sido criado na comunista União Soviética, o personagem acabou se tornando um ícone capitalista, dando origem a inúmeros produtos e, até, uma série animada japonesa.