AeC

Relacionamento com Responsabildade

Notícias

Esportes

Pilates: para emagrecer ou fortalecer

Em que situações a modalidade é indicada?

Foto: Divulgação

 

O pilates nasceu como tratamento médico para pessoas exiladas e mutiladas, em uma ilha inglesa, em 1914. Apesar da aplicação inicial, um século depois a modalidade já é utilizada para as mais diversas finalidades.

História

Joseph Pilates, criador do método, nasceu na cidade de Mönchengladbach, na Alemanha, em 1883. Desde a adolescência ele praticou muitos esportes como ginástica, esqui, mergulho e boxe. Em 1912, ele se tornou boxeador profissional e começou a lecionar autodefesa para detetives da Scotland Yard. No período da I Guerra, no ano de 1914, ele foi exilado, quando iniciou o uso de molas no tratamento médico. A prática foi a base para o desenvolvimento de um sistema de exercícios e equipamentos. Em 1923, Pilates foi para Nova Iorque e abriu seu primeiro estúdio. Seu trabalho só teve repercussão a partir de 1940, principalmente entre dançarinos.

Aplicação

Por se tratar de uma atividade anaeróbica, ou seja, que não queima muitas calorias, muitos consideram que o pilates não emagrece. Porém, todos os exercícios de resistência, como os que utilizam molas ou a gravidade, são ótimos para ganhar massa muscular e, por isso, podem até mesmo ser considerados tipos de musculação diferentes. Quanto mais músculos, mais acelerado fica o metabolismo e, consequentemente, mais calorias são gastas ao longo do dia – o que, no fim das contas, emagrece.

O grande diferencial do pilates é que ele é totalmente baseado no ritmo da respiração. Após algumas aulas o aluno já consegue perceber que adquiriu mais consciência corporal porque os exercícios exigem um alto grau de controle e concentração.  

O método não tem contraindicação: idosos, crianças, pessoas que passaram por alguma lesão, quem tem problemas na coluna, todos podem praticar sem problema algum. Inclusive, por ser uma atividade de baixo impacto nas articulações, o pilates previne o aparecimento de lesões por esforço repetitivo, como artrose, bursite e tendinite, e auxilia no tratamento de pessoas com hérnia de disco, escoliose, lordose e cifose.