AeC

Relacionamento com Responsabildade

Notícias

Negócios

As lições de liderança do Papa Francisco

Conheça o estilo de liderança do Papa do Povo

Foto: Divulgação

 

A visita do Papa Francisco aos Estados Unidos no último mês deu o que falar. Pudera: seu estilo humilde e focado no ser humano tem conquistado até aqueles que não seguem a religião católica. Mas nada disso é por acaso. Por trás de cada ação empreendida, há toda uma filosofia de liderança baseada em valores que levam em consideração, antes de tudo, as pessoas.

O site FastCompany elencou cinco lições de liderança do Papa Francisco que valem a pena ser conferidas.

1. Seja acessível

Desde que assumiu, o Papa Francisco tornou-se notório por quebrar protocolos. Por exemplo: em seu primeiro dia, ao invés de abençoar a multidão de fiéis, como reza a tradição, ele os convidou para abençoá-lo. Ele também não costuma andar pelo Vaticano em carros blindados, mas sim em em ônibus. Tudo para ficar mais próximo das pessoas. Para olhá-las nos olhos e ver seus reais anseios.

2. Não ignore as redes sociais

As redes sociais conectam pessoas. E o Papa Francisco sabe disso como ninguém. Usuário ativo do Twitter, ele usa a plataforma constantemente para se comunicar com sua base de fiéis em mensagens com tom humilde, pluralista e convidativas. Atualmente, o Papa possui perfis que disseminam suas mensagens em inglês, português, espanhol, árabe, polonês, italiano, francês, alemão e... latim.

3. Horizontalizar é preciso

As estruturas burocráticas do Vaticano são muitas e remetem há muitos séculos. Mas até nisso o Papa Francisco conseguiu mexer com êxito. Em primeiro lugar, em um ato (que muitos consideram) de humildade, ele mudou seu status de Sumo Pontífice para Bispo de Roma. Depois, delegou funções papais e rearranjou sua equipe, reduzindo substancialmente o senso de hierarquia.

4. Assuma riscos

O medo do fracasso é o que impede muitas vezes a possibilidade do sucesso. É tudo uma questão de se assumir riscos. E nesse quesito também o Papa Francisco conseguiu dar alguns passos, tomando algumas decisões “polêmicas”. Como, por exemplo, seu recente pedido para que padres perdoem mulheres que tenham abortado. Ou quando abordou a questão de que Deus pode também perdoar ateus e agnósticos, desde que estes tenham sido bons em suas vidas.

5. Valorize as contribuições de seus subordinados

Toda pessoa possui seu valor. Ciente disso, o Papa Francisco atribuiu funções decisórias ao Sínodo de Bispos, que até então se resumia a um grupo cerimonial. Isso significa que considerar o que seus subordinados pensam e acreditam, assim como suas habilidades, pode levar a sua organização a progressos efetivos. E a tarefa de descobrir e desenvolver tais valores é exclusiva dos líderes.