AeC

Relacionamento com Responsabildade

Notícias

Sustentabilidade

Superplantações indoor

Fazendas urbanas utilizam tecnologia de ponta para produzir mais e melhor

Vivemos um momento em que as redes de fast food explodiram pelo mundo todo. Comprar comida processada e industrializada é cada vez mais fácil e barato. Por outro lado, encontrar produtos orgânicos, sem agrotóxicos e saudáveis é cada vez mais difícil e caro. Para mudar essa situação, pesquisadores do mundo todo procuram formas de baratear o custo da produção. Como? Por meio de fazendas urbanas. Dentro da própria cidade, ou mesmo dentro de prédios, “fazendeiros” cuidam de suas plantações usando tecnologia de ponta.

O japonês Shigeharu Shimamura encontrou uma maneira de tornar as plantações indoor tão ou mais eficientes do que as tradicionais. A fazenda urbana dele, que fica no leste do Japão, produz até 10 mil cabeças de alface orgânicas por dia, com uma porcentagem de perda 40% menor do que em produções de orgânicos convencionais e utiliza apenas 1% da água normalmente gasta. Como? A fazenda fica em um espaço do tamanho de meio campo de futebol e o sol foi substituído por mais de 17 mil lâmpadas LED inteligentes. Com um ambiente 100% controlado, não é necessário usar agrotóxicos, porque os vegetais não ficam expostos às mudanças climáticas ou à ação de insetos. Com isso, os preços dos alimentos tendem a cair.

Aproveitamento
As fazendas urbanas podem economizar em logística e transporte de alimentos, tornando sua produção ainda mais sustentável, por estarem no meio das cidades. Um edifício de 30 andares de plantação é suficiente para alimentar 10 mil pessoas. Para se ter uma ideia, pouco mais de mil edifícios deste tamanho seriam necessários para alimentar toda a população da cidade de São Paulo.

Projetos futuros
Outras iniciativas ainda mais ambiciosas não saíram do papel, mas já agradam aos ambientalistas. Já imaginou morar em um enorme condomínio com pomares, campos de arroz e criação de gado? Pois o arquiteto belga Vincent Callebaut já. Ele elaborou o projeto Dragonfly, um edifício de duas torres que formam uma fazenda vertical. No local, haveria também espaço para escritórios e apartamentos.